fbpx

CASO PREFIRA PULAR O TEXTÃO, AS INFORMAÇÕES SOBRE O EVENTO ESTÃO NO FINAL, SOB TÍTULO: PARANGOLÉS E PROLEGÔMENOS.

PORVINDOUROS E AVOENGOS

Ficou comigo a incumbência de escrever um texto para essa edição comemorativa do Sons de Dentro. Opto, então, por fazer um texto em primeira pessoa. E digo os motivos. Em primeiro lugar pela própria razão de ser do convite: que eu trouxesse meu ponto de vista sobre o que significou o Sons de Dentro para a Bacamarte. Também porque o esperado seria um texto protocolar dizendo a visão do Programa Sons de Dentro, para o programa Sons de Dentro, pelo Programa Sons de Dentro. Isso se faz em reunião, encontro, conversa do grupo para o grupo e com o grupo. O público merece outra coisa. E não somos nós quem dizemos o que é. Assim, prefiro ser imprevisível e dizer o que penso, afinal, quem define o que é ou não espetáculo não sou eu. Assim como quem define o que é ou não é o Sons de Dentro é o público. Por fim, por que me dei conta que a Bacamarte escolheu que esse fosse o último programa ao vivo desse ano. Deve haver um motivo pra isso, talvez ao final desse texto eu consiga dizer qual é.

Acredito que o motivo mais importante foi o fato de que a banda Projeto Casa Verde, desde a fundação da Bacamarte, se dedicou cada vez menos ao próprio trabalho de expressão artística. Isso foi um erro que deu certo (sim, aqui trabalhamos com polissemia, duplo sentido e terceiras intenções). Erro pela autonegligência. Típico dessa gente depressiva, sabe? Essa que toma remédio e briga consigo mesmo pra continuar tomando o remédio. Natural para essa gente que questiona a normalidade. Essa senhora sisuda que ninguém sabe direito quem é, mas que vive sendo chamada quando queremos ter razão. Ainda não te contaram que ela é rasinha? (pra quem ainda não sabe – ó, meu deus – ou não pegou a referência, o Projeto Casa Verde se inspira no universo machadiano pra falar de loucura e questionar a normalidade. A Bacamarte reza a mesmíssima cartilha, não se enganem. Então…

Quem não sentiu o suingue do Belle, dos Tchacos
Quem não seguiu raciocínios de Mr. Pablo
E que não riu da risada de Carol, bobeou
Quem não curtiu poesia de Simão-Ricardo
Quem não ouviu o que Chalhoub sempre colocou
Quem não amou a elegância sutil de Arthur

Vai perder alguns fios da meada mesmo, faz parte do nosso show. Entre outras coisas, isso é a Bacamarte. Como diria o Pablo, a “arma da arte”. Atira no que vê, mas não mata o desejo do que ainda não existe. Mas a gente fala mais disso no próximo Concreto Pensado em janeiro, evento que escolhemos para ser o primeiro ao vivo do ano.

O fato é que se pra nós já tava punk antes da pandemia, depois dela fazer rock ficou mais punk ainda. É sobre isso.

Mais do que falar da trajetória do Sons de Dentro, num autotune autoerótico, vamos contar a história da banda e de suas dificuldades pra chegar até aqui. Fazendo isso, estaremos contando a trajetória da Bacamarte também, por que não? Do outro lado, Bruno trará também sua jornada. Afinal, é disso que se trata o Sons de Dentro, né? Desse espaço para artistas contarem sua realidade e sua história com música, poesia e outras artes… Trabalhamos duro, em um esforço coletivo, nesse interessante projeto que o Bruno Coutinho nos trouxe com a pandemia. O aperfeiçoamento de cada um e do todo pode ser constatado a olhos vistos entre os primeiros e os últimos programas. Na roteirização, na condução, na estética da transmissão, na interlocução, entre tantos outros aspectos. Fomos contemplados na segunda chamada do Prêmio Erika Ferreira, em Niterói, o que nos trouxe recursos pra fazer com que esse projeto, até agora conduzido em sistema de apoio, torne-se uma parceria, garantindo fôlego para uma pequena temporada para 2021.

O resto eu vou tentar dizer com poesia. Por que ela dói nesses filhos da puta. Ela dói em todos nós. Somos iguais em desgraça, vamos cantar pra mandar a tristeza embora.

PARANGOLÉS E PROLEGÔMENOS

Bem, por isso a escolha da Bacamarte pra que este fosse o último evento ao vivo do ano. Para celebrar, mas sobretudo refletir, sobre como Bruno e a banda se viraram durante a pandemia em quatro blocos: onde estamos, o que sentimos, quem somos e pra onde vamos. Além de Bruno e Chalhoub entrevistando, eu conduzirei o show como âncora, Belle e Pablo, farão o streaming e teremos Arthur Moura, nosso aniversariante da semana, operando as câmeras aqui na Bacamarte. Esse Sons de Dentro não será sobre o Sons de Dentro, mas sobre as pessoas que fizeram o Sons de Dentro.

Vai ser neste sábado, 19/12, às 17:00.

Todos os protocolos municipais para o COVID-19 foram seguidos: Bruno participará de sua casa, em Petrópolis, nós estaremos em distanciamento mínimo de 1,5, de portas abertas para garantir a ventilação, além de todas as medidas profiláticas já bem conhecidas de todos (máscaras, álcool gel, pedilúvio de água sanitária, entre outras).

O projeto foi um sucesso. Sucesso como algo que se sucedeu, não como uma necessidade vazia de aprovação e reconhecimento. Afinal, temos todos vocês que nos acompanharam até aqui. É chegado o momento de mostrar com arte o que foi que tudo isso fez com a gente. Vai ser divertido, não perca!

Parcimoniosamente,

Simão Bacamarte.

No responses yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Último Evento
Últimos comentários
    Veja pela Data
    dezembro 2020
    D S T Q Q S S
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
    Atualização Covid-19 😷Rígidos Protocolos Sanitários em Funcionamento!

    Devido a pandemia do corona vírus (Covid-19), estamos abertos com limitações. Entretanto nossos serviços continuam em funcionamento!

    Quer saber mais? Chama no WhatsApp!